Escola lembrou Miguel Arraes com ode à cultura e vegetação do estado. Sabrina Sato, Ágatha Moreira e Nicole Bahls foram destaques na Sapucaí.

Fonte por Jornal O Globo

A Vila Isabel abriu o segundo dia de carnaval no Rio, nesta segunda-feira (8), com homenagem a Miguel Arraes (1916-2005) e ao estado de Permambuco.

O avô de Eduardo Campos (1965-2014) foi prefeito de Recife, deputado estadual, federal e governador de Pernambuco.

A escola da Zona Norte desfilou com 28 alas, seis alegorias e 3800 componentes. E com Sabrina Sato, a rainha da bateria do mestre Wallan Amaral.

A trajetória de Arraes foi contada tendo como base o incentivo que ele deu à educação e à cultura popular. Ele convidou intelectuais e educadores para "revolucionar" a região. Foi quando ganhou o apelido de Pai Arraia.

Cordel e caatinga

A comissão de frente tomou emprestada o sofrimento e a redenção da literatura de cordel, com um cortejo fúnebre.

O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira foi formado por Phelipe Lemos e Dandara Ventapane, neta de Martinho da Vila. Eles representaram a caatinga sertaneja.

A primeira ala da Vila Isabel mostrou a vegetação seca dos xiquexiques e mandacarus.

A paisagem criada pelas fantasias anunciou a chegada de Nicole Bahls, destaque de chão com roupa inspirada no sertão nordestino.

O carro abre-alas Miragens do Sertão continou mantendo a caatinga em primeiro plano, mas com o acréscimo de espelhos. Destaques sambaram vestidas como aves de rapina.

Da lama ao samba

A agremiação azul e branca prosseguiu com alas sobre carcaças de animais mortos, carcarás, beatos, casas de palha e mague.

O segundo carro simbolizou as palafitas e manguezais, em uma homenagem às populações ribeirinhas. Logo depois, veio a ala dos cortadores de cana. As baianas, por sua vez, representaram os canaviais.

Os coronéis e os camponeses vieram nas duas alas seguintes dando pistas sobre o terceiro carro, com uma grande usina.

A importância da educação foi o mote para a criação do quarto carro Servindo de Lição. Ele andou pela Sapucaí decorado com lápis gigantes.

As alas seguintes trouxeram para a avenida a cultura pernambucana, com menções à literatura de cordel, ao xaxado, à arte no barro e aos repentistas.

O teatro de mamulengos, apresentações dos festejos religiosos dos tempos coloniais, foi lembrado na ala seguinte. Ágatha Moreira, atriz destaque de chão, representou uma boneca.

O frevo e o bloco Galo da Madrugada deram um gostinho do carnaval pernambucano, assim como o sexto carro Uma Festa Popular.

 

Veja essa e outras matérias no Caderno Grande do NaTijuca.com